terça-feira, 4 de fevereiro de 2014

"RIO TRISTE"

"RIO TRISTE"

Corre o rio de tristezas
Devagar cor de sangue
Sangue, sangue de dor
Arma enferrujada
Veias de veneno lapidado
Sugado no escuro
Corpo estendido
Esquecido e sentido..
Sangue derramado de um soldado
Com o coração partido
Perdido, magoado.
Guerra estúpida, sem tempo, sem hora
Humanidade despida
Sem destino nas areias..
Escaldantes do deserto,
Desentendidos, ignorantes
Corre o rio de dor, de sangue
De odor, podre, fede
Carne apodrecida deixada à sua sorte.
Veias lapidadas de cores de uma guerra estúpida.
Sem honra, sem respeito, sem compaixão.
Feridas feitas no peito de sangue que deixam cicatrizes.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca