quarta-feira, 11 de junho de 2014

"TERNURA INFINITA"

"TERNURA INFINITA"

Com medo de adormecer
Ou talvez acordar.
Parti de mim para me salvar.
Deixei para trás as janelas abertas.
Dentro da ternura de um voo.
Do teu deserto percorro um tempo.
Um tempo feito de um relógio.
De um abraço infinito
De um amor…de um olhar
Onde brota o sentimento.
Sentimento que invade a alma.
Contemplando o desejo de perder-me num sonho.
A essência que aquece o coração.
Escuto a música com a chegada das ondas.
Misterioso afeto que mantém-me viva
Com medo de adormecer...ou talvez acordar
Parti à tua procura, numa noite fria e escura
Deixando as janelas abertas para tu entrares.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca