segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

"UM SÓ CAMINHO"

"UM SÓ CAMINHO"

Um só caminho de uma alma doente
Dum receio tantas vezes prematuro
Caminhante sereno, rosto marcado
Pelo sofrimento da vida, tão vivida

Madrugada orvalhada de sonhos cruéis
Embebido nas arestas do futuro
Com medo das saudades do presente
Desta dor que em vão procura
Onde cobre o coração dum escuro véu
Alma de luz desgrenhada
Caminho de uma jornada
Amiga aurora da manhã, eu te saúdo

Neste caminho de fragas, giestas, estevas
Desçamos o monte, a serra juntos
Bebamos juntos o vinho doce de morangueiro
Com um travo suave a alecrim

Espinho encontrado de escombros
Onde encontro-te no caminho, tão só, tão sozinho
Repartamos os dois o mesmo vinho
Amargo da nossa jornada

Taberna escura cheia de amargura
Secura na alma, no corpo doente
Prematuras sombras, frias e cruéis
Calvário onde choramos o mesmo pranto

Das saudades, já esquecidas, perdidas
Caminhante sereno, rosto marcado
Pelo sofrimento da vida, num só caminho
Embebecido nas arestas do presente sem futuro.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca