sábado, 22 de julho de 2017

SINTO-ME

SINTO-ME


Sinto-me presa a algo
Que eu própria desconheço
Alma que sangra, sem saber porquê
Ou talvez saiba tolhida entre
As fragas da serra que me ferem
Os pés descalços no caminho
Que faço nesta penitência que
Me imponho, sem saber porquê
Não durmo, não como, não bebo
Sinto o meu corpo podre de tanta
Escuridão sentida, alma triste
Dor que tento apagar com toda
A força que sinto no pobre coração.

(¯`🌺´¯)
¸¸`•.¸.•´ ⁀⋱‿✫ 🍃

Isabel Morais Ribeiro Fonseca